Arquivo para fevereiro \15\UTC 2009

O site que não faz nada manda e-mails.

Ahh, então… pode ser que você já conheça essa ação do chocolate KitKat. A marca criou o primeiro site do mundo onde nada acontece, só para você poder parar com tudo e comer seu KitKat em paz. Thefirstworldwidewebsitewherenotinghappens.com (de quebra também deve ser a maior url do mundo) é uma ideia genial, filha de um conceito muito bom, totalmente pertinente e corajosa, porque não é qualquer agência nem qualquer cliente que arriscam uma estratégia radical assim. 

Mas o que muita gente boa ainda não sabe é que o site não para por ai. No rodapé tem uma mensagem dizendo mais ou menos que “Se alguma coisa acontecer deve ser um bug. Informe e você será recompensado”. Senti que tinha alguma coisa aí, inventei uma desculpa e mandei um e-mail. Nem fiquei surpreso quando recebi uma resposta padrão bem humorada, com o link para a tal recompensa: um screensaver muito simpático onde aparece o tal bug (inseto). Sacou?  Hein? Hein?

Detalhe do Screensaver

Detalhe do Screensaver

Surpreso mesmo eu fiquei no dia seguinte quando recebi outro e-mail. Era minha dúvida respondida EM PORTUGUÊS. Não precisaram restrear meu IP porque eu assinei meu e-mail toscamente escrito com um “from Brazil”. Esse cuidado em falar comigo na minha língua me ganhou e também serviu para comprovar que tem muito trabalho por trás de um site que parecia ter sido a grana mais fácil já ganha por uma agência na história da world wide web.   

Alguém tem um KitKat aí? 

Anúncios

Burle Marx ou “A pressa passa, a merda fica”.

rio-aterroflamengo1

Aterro do Flamengo. Burle Marx plantou umas margaridas lá.

Tem rolado um movimento interessante lá na agência. A cada 15 dias, mais ou menos, recebemos a visita de um convidado para falar sobre um tema que não tenha muito a ver com o nosso dia-a-dia, ou pelo menos nada a ver com nenhum job em andamento. É uma forma de se desconectar por algumas horas e abrir a cabeça para informações que normalmente não tomaríamos conhecimento.


Já tivemos uma pesquisadora da FGV, o autor do livro sobre o profeta Gentileza, batemos um papo sobre a história da mídia com o diretor do Grupo de Mídia do Rio de Janeiro e, mais recentemente, recebemos a visita do arquiteto Ivo Mairenes, que além de desenvolver um trabalho diferenciado teve o privilégio ser parceiro de Roberto Burle Marx, um paisagista com uma vida tão rica em histórias interessantes quanto em amor pelas plantas e pela arte. E logo descobrimos que essas histórias têm muito mais a ver com nosso ofício do que se poderia imaginar.


O próprio trabalho do Ivo já valeria algumas horas de papo, e é daí que veio a primeira sacada. Segundo o arquiteto, as empresas que não adotarem postura autossustentável não vão sobreviver. Ok, analistas de mercado, ambientalistas e afins dizem isso toda hora, mas a afirmação de Ivo é fruto de sua experiência com clientes que constroem casas de mais de R$ 2 milhões. Se esse público, que dita as tendências de consumo, não compra mais madeira que não seja de reflorestamento, fica claro que as empresas precisam correr para adaptar sua postura e sua comunicação a essa nova realidade.


Mas o melhor foram mesmo as histórias sobre o genial Burle Marx e também sobre o rabugento, boêmio e acolhedor Roberto.

Roberto Burle Marx era um homem que vivia a arte em todos os momentos, valorizando a expressividade de um amanhecer ou de um sabor exótico por exemplo. Seus jardins eram influenciados por nomes como Van Gogh e Degas. Décadas antes da Internet, ele trazia da Europa livros sobre a obra desses artistas e presenteava sua equipe para que eles se comparassem com os grandes mestres, em vez de cair na tentação fácil de se comparar ao “jardim ali da esquina”. Certa vez, ao próprio Ivo Mairenes, em dúvida sobre a originalidade de um trabalho, Burle Marx disse o seguinte: ”Influências, todos temos pelo simples fato de que estamos vivos. Seu projeto pode ter sido influenciado pelo trabalho de outro, o que não pode acontecer é ficar parecido com o seu próprio trabalho. A morte de um artista acontece quando ele se torna cópia de si mesmo”.


Essas e outras histórias passaram por nós em duas horas de papo que poderiam facilmente ter se estendido por uns 10 ou 11 chopes. Fui apresentado ao Burle Marx, um mestre que deixou um patrimônio riquíssimo para a sociedade e outro maior ainda para quem conviveu com ele.


De volta à correria dos prazos, briefings, brainstorms, deadlines nossos de cada dia, procuro lembrar da analogia mais perfeita entre nosso trabalho e o de Burle Marx. Uma frase escrita em uma placa que o paisagista conservou durante muito tempo sobre sua mesa, que dizia “A pressa passa, a merda fica”.


Del.icio.us

fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« jan   mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Siga-me no Twitter: @bpimentel

RSS

Sobre o Autor